Capivaras são achadas mortas com suspeita de envenenamento

A morte dos animais, considerados os maiores roedores do Brasil, foi denunciada por moradores

Por Redação em 06/10/2017 20:51


Ao menos 16 capivaras foram encontradas mortas, entre a manhã e a tarde desta quinta-feira, 5, às margens da Represa de Itupararanga, em Piedade, no interior de São Paulo. Como alguns urubus se alimentaram da carne dos animais mortos e também morreram, existe a suspeita de envenenamento. A represa abastece cinco cidades da região, entre elas grande parte de Sorocaba, com 665 mil habitantes.

A morte dos animais, considerados os maiores roedores do Brasil, foi denunciada por moradores. O diretor de Agricultura e Meio Ambiente da prefeitura de Piedade, Osmar Borzachini, esteve no local e não descarta a hipótese de envenenamento.

“Também pode ser uma doença, uma infecção. Como a área é particular, faz parte de um condomínio de chácaras de recreio, colocamos um profissional à disposição do condomínio para eventual coleta de material para exames”, afirmou o diretor.

Ele considerou improvável o envenenamento por agrotóxicos, embora existam cultivos de legumes e verduras em áreas próximas. “São animais de grande porte, que pesam mais de 100 quilos. É muito difícil se intoxicarem ao ponto de morrer pelo consumo de plantas tratadas com agroquímicos”, disse. “Se houve envenenamento, o que só os exames podem confirmar, teria sido uma ação dirigida.”

As capivaras são indesejadas quando estão próximas de casas, por serem hospedeiras do carrapato-estrela, potencial transmissor da febre maculosa.

A Secretaria de Meio Ambiente do Estado de São Paulo informou que a Polícia Ambiental está investigando a morte das capivaras, bem como eventual autoria. Conforme o Departamento de Fauna da pasta, se o envenenamento for comprovado, se tratará de crime ambiental e, se identificados, os autores serão autuados e responderão pelos crimes. Com informações do Estadão Conteúdo.

Por : Noticias ao Minuto

Comentarios

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *