Bancário passa mais de seis meses contando herança deixada em moedas

Bancário passa mais de seis meses contando herança deixada em moedas

Um caminhoneiro alemão deixou como herança para sua família as moedas que coletara ao longo de mais de 30 anos de viagens. Tratava-se de peças um ou dois pfennige, o centavo de marco alemão, adotado pela República Federal da Alemanha até a entrada em circulação do euro.

Normalmente a moeda obsoleta pode ser enviada pelo correio para troca por euros. Nesse caso, porém, após a morte do caminhoneiro, em maio, a família teve que levar o tesouro até o banco pessoalmente, numa van: cerca de 1,2 milhão de moedas, reunidas em centenas de sacos para congelamento.

Como relata a emissora alemã NDR 2, a contagem por máquina tampouco era possível, já que as peças estavam, em parte enferrujadas e coladas umas às outras. Por isso Wolfgang Kemereit, funcionário da filial do Deutsche Bundesbank na cidade de Oldenburg, assumiu o trabalho de aferição manual.

Paralelamente a suas tarefas normais, o diligente bancário passou mais de seis meses contando os pfennige da herança familiar, a cerca de uma hora para cada saco. “Eu segurei cada peça na não”, comentou Kemereit. “Até que gosto dessas coisas, então nesse sentido não foi um problema.”

Todo esse trabalho rendeu bem-vindos 8 mil euros à família do falecido. A NDR 2 anunciou a história com a manchete “Kleinvieh macht auch Mist!”, um provérbio alemão que diz, literalmente, “Gado pequeno também faz estrume”, um lembrete de que pequenas coisas acumuladas podem resultar num total significativo.

Embora o marco tenha saído de uso em 2002, ele pode ser trocado em qualquer filial do banco central alemão, por prazo indefinido e sem cobrança de taxas, à cotação fixa de 1,96 marco para cada euro. O Bundesbank calcula que ainda haja cerca de 13 milhões em moedas e cédulas de marcos (6,48 milhões de euros) “perdidos” pela Alemanha e o mundo.
Fonte : UOL

Comentarios