SAÚDE (Pág 2)

O Dia D de vacinação infantil está marcado para este sábado (16). A campanha Nacional de Multivacinação pretende atualizar a caderneta de vacinas de 47 milhões de crianças e adolescentes menores de 15 anos.

Para atender a população e colocar as doses em dia, 36 mil postos de saúde estarão abertos em todo o País. Serão oferecidas doses de 19 vacinas previstas no Calendário Nacional de Vacinação, como hepatites A e B, poliomielite, meningocócica e tríplice viral.

A estimativa do Ministério da Saúde é de que 53% do público-alvo está com a vacinação atrasada. Além do envio de 143,9 milhões de doses de vacina de rotina, o Ministério da Saúde ainda distribuiu 14,8 milhões de doses extras de 15 vacinas para a campanha.

Documentação

As vacinas serão aplicadas para quem apresentar o Cartão de Vacinação. Só assim os profissionais podem verificar se a dose já foi ou não ministrada e registrar as novas aplicações.

Atendimentos

Os postos devem abrir a partir das 8h e os atendimentos vão até às 17h. A campanha vai até o próximo dia 22. O SUS oferece todas as vacinas recomendadas pela Organização Mundial da Saúde (OMS), com o investimento de R$ 3,9 bilhões por ano. Com informações do Portal Brasil.

Por : Noticias ao Minuto

Um lote do leite condensado da marca mineira Fazendeira foi interditado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) nesta quinta-feira (15). Feito pela empresa especializada em laticínios Baduy e Cia Ltda., de Ituiutaba, o produto barrado continha a bactéria Estafilococos coagulase positiva acima dos padrões permitidos pelas leis.

Após realizar testes com o lote interditado, de número 0681M1, com validade até 17/1/2018, a agência utilizou seu perfil oficial no Facebook para anunciar a medida.
Na mensagem, a Anvisa confirma que a bactéria Estafilococos é comum, mas que pode provocar dor de barriga e vômitos, e por isso seu controle precisa obedecer a um limite rígido.

A suspensão do produto é uma medida que vale por 90 dias.

Fonte : Metrópoles

 

As vantagens e desvantagem de tomar a pílula anticoncepcional – A pílula anticoncepcional foi inicialmente aprovada para uso nos Estados Unidos em 1960 e é uma forma muito popular de controle de natalidade. Na época, foi um marco da revolução feminina. Esse método é usado por milhares de mulheres no mundo inteiro, porém ele não é unânime e divide opiniões. Confira a galeria e saiba quais são as vantagens de desvantagens de se tomar a pílula anticoncepcional!

A pílula anticoncepcional foi inicialmente aprovada para uso nos Estados Unidos em 1960 e é uma forma muito popular de controle de natalidade. Hoje é usado por milhares de mulheres no mundo inteiro, porém divide opiniões.

Por : Noticias ao Minuto

Oapresentador Marcelo Rezende está internado em um hospital na Zona Sul de São Paulo com quadro grave de pneumonia. De acordo com o site Pure People, o apresentador do ‘Cidade Alerta’ foi levado ao centro de saúde com fortes dores. O jornalista trata câncer no pâncreas e no fígado.

“Ele está muito ruim, péssimo… Ninguém está tendo acesso, os familiares proibiram. Trancaram tudo”, disse uma fonte ao site. “Não sabemos se o Marcelo vai sair de lá, ele está até com pneumonia grave”, contou uma pessoa próxima ao apresentador da Record.

Em seu último post no Instagram, Rezende disse que o tratamento tem sido como uma montanha-russa. “Cada momento que estou vivendo é um desafio. Tem horas que estou bem, tem horas que estou mal. Mas quando estou mal coloco minha cabeça em Deus. E eu tenho um objetivo. Na hora que eu superar, com a ajuda de Deus, tudo que estou passando, sei o que vou fazer da minha vida: ajudar cada vez mais aqueles que precisam, que não tem esperança, que buscam a cura e mostrar que o Espírito Santo está sempre presente na nossa vida. E nosso Pai há de cuidar de cada um. E é preciso ter fé”, escreveu ele na publicação.

Fonte: Notícias ao Minuto

Homens e mulheres entre 15 e 26 anos poderão se vacinar contra HPV até março do ano que vem nos municípios com imunizantes em estoque. A nova recomendação do Ministério da Saúde foi divulgada nesta segunda-feira, 11. Inicialmente, a vacinação para essa faixa etária estava prevista para acabar em setembro.
O objetivo, segundo o ministro da Saúde, Ricardo Barros, é evitar o desperdício de vacinas. Os jovens de 15 a 26 anos que tomarem a primeira dose da vacina contra HPV neste período terão garantidas as doses seguintes no Sistema Único de Saúde (SUS). Para essa faixa etária, o esquema vacinal é com três doses, com intervalo de zero, 2 e 6 meses. Depois de março, a orientação do governo federal será de oferecer a vacina somente para o público-alvo – crianças e adolescentes entre 9 e 15 anos.

Os municípios com vacinas em estoque, com prazo de validade até março de 2018, poderão aplicar as doses em homens e mulheres entre 15 e 26 anos. A medida tem caráter temporário e já foi informada para gestores estaduais e municipais. A nova recomendação estende o prazo de vacinação para essa faixa etária, que inicialmente estava prevista para encerrar nas cidades que tinham estoques a vencer em setembro.

Desde o começo da vacinação, em 2014, até junho, foram imunizadas com a primeira dose 10,7 milhões de meninas, o que corresponde a 89,9% do total de brasileiras nesta faixa etária. Receberam as duas doses – o recomendado pelo ministério – 7,1 milhões de meninas, o que corresponde a 59,7% do total.

Já em relação aos meninos, de janeiro a junho, 853,9 mil adolescentes de 12 a 13 anos se vacinaram com a primeira dose – 23,6% dos 3,6 milhões de meninos nessa faixa etária. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Há quem diga que as sementes são ‘comida de pássaros’. Sim, até podem ser, mas são também comida de quem pretende ter um estilo de vida mais saudável e uma alimentação mais diversificada, nutritiva e até mesmo divertida.
Usadas frequentemente como acompanhamento de iogurtes e smoothies, as sementes podem ainda ser usadas na sopa, nas saladas e nas mais variadas receitas.

De acordo com o El País, as sementes não são apenas saborosas e crocantes, elas também reforçam o sistema cardiovascular, ajudam a perder peso e também a mantê-lo saudável, previnem certos tipos de cancro e ainda melhoram as funções cognitivas, tendo um impacto imediato e a longo prazo na prevenção de patologias.

Mas, que sementes devemos comer? Várias. Na verdade, todas as sementes que são classificadas como comestíveis têm algum tipo de benefício para a saúde, porém, existem sete que valem mesmo a pena incluir na alimentação diária. São elas:

1 – Semente de girassol. Rica em vitamina E e ácido fólico, esta semente de sabor adocicado é aliada da boa saúde cardiovascular, conseguindo atuar diretamente no controlo dos níveis de colesterol. Esta semente contém ainda magnésio (bom para os músculos e mente) e ainda selênio (antioxidante).

2 – Semente de abóbora. Não se trata de uma questão de aproveitar as ‘sobras’ da abóbora, mas sim de recorrer a uma semente rica propriedades que melhoram o estado físico e mental da mulher durante a menopausa e pós-menopausa. Além de interferir positivamente no humor, esta semente é ainda amiga do coração e da próstata.

3 – Quinoa. Este pseudocereal pode ser usado como substituto do arroz ou como acompanhamento de saladas, sopas, iogurtes, sucos, smoothies, etc. É rico em cálcio, magnésio, manganês, vitamina B e vitamina E, fibra e ainda proteína.

4 – Semente de cânhamo. Embora seja ‘familiar’ da canabis, esta semente é segura para consumo e altamente benéfica. Cerca de 40% da sua composição é fibra, mas há mais protagonistas: proteína de alto valor biológico, vitamina E e zinco.

5 – Semente de chia. Estas sementes são uma excelente fonte de energia, ajudando não só a melhorar o rendimento físico e mental, como também a tonificar os músculos.

6 – Gergelim. Pequena de tamanho, mas ‘gigante’ de nutrientes: cálcio, magnésio, zinco, fibra, ferro, vitamina B1 e fósforo. Esta semente ajuda a regular o colesterol e tem um impacto positivo na saúde do fígado.

7 – Semente de linhaça. Consumida preferencialmente depois de triturada, esta semente é uma autêntica fonte de fibra, atuando na regulação do peso e do colesterol. A hipertensão pode também ser combatida com esta semente.

Fonte : Notícias ao Minuto

Com o formato de uma pequena borboleta, a tireoide é um glândula localizada no pescoço (em frente à traqueia) e que tem uma das principais funções do corpo humano: produzir os hormônios que regulam o organismo.

De um modo geral, a tireoide atua diretamente nos intestinos, na produção de energia, nos batimentos cardíacos e nas emoções das pessoas, se assumindo como o ‘centro de operações’ da grande máquina que é o corpo humano.

Seja para prevenir ou atenuar uma produção hormonal em excesso ou defeito (hipertireoidismo e hipotireoidismo), a alimentação assume como um fator determinante, conseguindo manter esta glândula atuando dentro do que é normal.

Como destaca a revista Prevention – e embora cada pessoa deva procurar a devida avaliação médica do seu caso -, existem algumas regras alimentares que permitem uma melhor saúde da tireoide e uma dessas regras diz respeito à importância de cortar no consumo de carne e laticínios. Evitar esses alimentos ajuda a que os hormônios da tiroide não fiquem à mercê de toxinas internas.

Comer de uma forma simples, isto é, dando valor aos alimentos tal como a natureza nos dá é também conselho a ter em conta, devendo apostar num maior consumo de proteínas de origem vegetal.

Usar as boas gorduras é também fundamental (com o azeite e o abacate ganhando protagonismo), assim como comer mais frutas secas, alimentos que fornecem bons níveis de gorduras, minerais e proteínas. Além disso, ajudam a regular os níveis de energia, que muitas vezes ficam reféns da tireoide.

Prestar mais atenção aos rótulos e ingredientes dos produtos – evitar o que é processado e rico em açúcar, adoçantes, gorduras saturadas, gorduras trans, químicos alimentares, corantes e conservantes – e jamais pular o café da manhã são outras regras de ouro, não só para uma tiroide regulada, como, sobretudo, para uma melhor saúde geral e sensação de bem-estar mais plena.

Em alguns casos, destaca a publicação, é também importante eliminar a cafeína, o álcool, o tabaco e o açúcar, quatro ingredientes que atuam diretamente e de forma negativa com a tireoide. E por falar em açúcar, também os adoçantes são para deixar de consumir, assim como as bebidas energéticas ou estimulantes.

É bom eliminar, também os químicos, como aqueles que estão nos pesticidas usados na fruta (sendo os alimentos biológicos e orgânicos mais certeiros para consumo) e nos ambientadores da casa.

Conhecer os alimentos que mais afetam a tiroide – como os crucíferos, as ervas aromáticas da família do manjericão, o sumo de maçã, os amendoins, etc. – é meio caminho andado para evitar males maiores, sendo importante ter uma conversa com o médico ou nutricionista para listar os alimentos que devem ser consumidos em menores quantidades.

Apostar em refeições ricas em fibra e de baixas calorias, como aquelas que fazem do abacate ou cereais integrais protagonistas, é um outro conselho a ter em conta e que promete uma melhor saúde.

Fonte: Notícias ao Minuto/ e Redação

No Brasil, mais de quatro milhões de pessoas são doadoras de medula óssea. É o terceiro maior cadastro do mundo, atrás apenas dos Estados Unidos e da Alemanha, segundo dados do Instituto Nacional do Câncer (INCA). Só no ano passado, registramos um número recorde de transplantes com doadores de fora da família. Com isso, a chance de encontrar alguém compatível pode chegar a 64%.

São nesses dados positivos que o casal Thiago e Adriana Martins, ambos de 37 anos, se agarram. O filho deles, de apenas 1 ano e 8 meses, Pablo, precisa de um doador 100% compatível. “Há poucas semanas recebemos o diagnóstico: ele tem Aplasia da Medula Óssea — doença rara que atinge uma em cada um milhão de pessoas”, explica Thiago. Isso significa que a medula dele está em estado de falência e é preciso trocá-la antes da situação piore.

ONCO-HEMATOLÓGICO

Pablo e os pais ao fundo

A notícia mudou a vida e a rotina da família. Thiago decorou todas as datas, horários e doses do prontuário médico do Pablo. Adriana pediu licença do trabalho para acompanhar o filho que precisa de alguém para vigiá-lo 24 horas. E o menino não voltou mais para a escola.

Ele não pode se machucar, tem a imunidade baixa e está suscetível a infecções, logo, não pode ficar em locais com muita gente. Toda semana o bebê precisa ir ao hospital, onde tem o sangue verificado e, se os níveis estiverem muito abaixo do esperado, passa por uma transfusão.

2/5Com menos de dois anos de vida, o pequeno enfrenta um problema de gente grande. Isso não o impede de ser risonho, feliz e encher os pais de esperança

3/5O bebê tem Aplasia da Medula Óssea – doença rara que atinge uma em cada um milhão de pessoas. Ele precisa de uma doação de médula óssea

4/5Thiago e Adriana, pais de Pablo, começaram uma campanha na internet para as pessoas se cadastrarem no banco de médula

5/5Procure o hemocentro e faça seu cadastro. Não doí, não demora e pode salvar uma vida

1/5″A medula do Pablo pode estar dentro de qualquer pessoa”, diz Thiago, pai do pequeno Pablo

2/5Com menos de dois anos de vida, o pequeno enfrenta um problema de gente grande. Isso não o impede de ser risonho, feliz e encher os pais de esperança

3/5O bebê tem Aplasia da Medula Óssea – doença rara que atinge uma em cada um milhão de pessoas. Ele precisa de uma doação de médula óssea

4/5Thiago e Adriana, pais de Pablo, começaram uma campanha na internet para as pessoas se cadastrarem no banco de médula

5/5Procure o hemocentro e faça seu cadastro. Não doí, não demora e pode salvar uma vida

1/5″A medula do Pablo pode estar dentro de qualquer pessoa”, diz Thiago, pai do pequeno Pablo

2/5Com menos de dois anos de vida, o pequeno enfrenta um problema de gente grande. Isso não o impede de ser risonho, feliz e encher os pais de esperança

3/5O bebê tem Aplasia da Medula Óssea – doença rara que atinge uma em cada um milhão de pessoas. Ele precisa de uma doação de médula óssea

4/5Thiago e Adriana, pais de Pablo, começaram uma campanha na internet para as pessoas se cadastrarem no banco de médula

Não existe um tratamento por medicação, a única solução de cura é um transplante de medula. Adriana e Thiago fizeram o teste, mas o resultado ainda não saiu.

Outra hipótese de doador é o Theo, que está na barriga de Adriana há sete meses. A probabilidade de ele ser 100% compatível é de 25%. De qualquer forma, é preciso esperar o bebê nascer (em novembro) para descobrir.

 

“Por isso temos urgência em encontrar um doador. Os médicos não têm como responder como vai ser a sobrevida do meu filho e não podemos esperar”, desabafa o analista de sistemas.

Diagnóstico

Tudo começou em dezembro do ano passado, quando surgiram algumas manchinhas na perna do garoto. Como a criança estava aprendendo a andar, pais e pediatra acharam normal. Os roxos poderiam ser consequência das quedas e pancadas.

“Neste ano, as manchinhas voltaram a aparecer na perna, nos braços e no bumbum. A enfermeira da escola sugeriu que marcássemos um hematologista”, relembra Thiago.

O analista de sistemas e a professora recorreram a um especialista do plano de saúde, ficaram 20 dias aguardando e um dia antes da consulta a secretária ligou para desmarcar. Procuraram uma clínica particular. Mas como as manchas não paravam de aparecer e desaparecer, Thiago tirou algumas fotos e mandou para uma amiga médica.

A ideia era ficar mais tranquilo e se informar sobre as possíveis causas dos hematomas, mas a doutora não quis esperar e pediu um hemograma. “Peguei o pedido na casa dela no dia 18 de maio e no dia 23 pela manhã levamos o Pablo para fazer o exame. Às 16h o pessoal do laboratório ligou para a minha esposa, falando que precisávamos levar nosso filho com urgência ao hospital. Pablo ficou internado três dias”, conta o pai.

A hematologista fez o encaminhamento do pequeno para o Hospital da Criança de Brasília (HCB) – onde ele continua o tratamento até hoje. Em uma nova bateria de exames, foi descartada a possibilidade de algumas doenças (como a leucemia) e os pais foram avisados que o caso era delicado. O diagnóstico não foi fácil, envolveu muitas idas e vindas ao hospital, mais uma internação, transfusões de plaquetas (já foram 12 no total) angústias, preocupação, desespero mesmo”, diz o pai.

“Acreditamos em Deus, temos fé que vai dar certo, mas é uma incerteza. Eu mesma nunca tinha parado pra pensar nisso. A gente fala muito de transplante de órgãos, de quando morrer, sendo que, em vida você pode fazer o bem para alguém. Podemos fazer até coisas mais simples como doar sangue”, fala Adriana, fazendo um apelo com a voz embargada de emoção.

Para conscientizar as pessoas, os pais criaram uma página no Facebook, onde falam da importância do cadastro no banco de medula. Eles pedem para as pessoas divulgarem o post, procurarem um hemocentro local e ajudar não só o Pablo, mas milhões de pessoas que precisam de doação de medula óssea. A campanha começou em nome do Pablo, mas muita gente pode se beneficiar.

“Nossa vida gira em torno disso agora, ele não pode esperar. A doação é um ato de amor com o próximo. A medula do Pablo pode estar dentro de qualquer pessoa”, diz o pai cheio de esperanças.

Confira como ser um doador de medula óssea para ajudar quem precisa:

Para fazer o cadastro de medula óssea é necessário ter entre 18 e 55 anos

Ligue para o 160 e escolha a opção 2 para agendar um horário no Hemocentro. Em Brasília, a unidade funciona no Setor Médico Hospitalar Norte 3, Conjunto A, Bloco 3 – Asa Norte

Na data agendada, compareça ao local para colher uma pequena quantidade de sangue

A partir desse momento, você estará cadastrado no Registro Nacional de Doadores Voluntários de Medula Óssea

O Redome entrará em contato caso exista algum paciente compatível precisando da doação de medula.

Não esqueça de manter o cadastro com número de telefone e endereço sempre atualizados para que possa ser localizado caso haja compatibilidade

Para quem for de fora do DF, basta procurar o hemocentro de sua cidade e agendar uma visita para a coleta de sangue

Mais informações acesse: redome.inca.gov.br

Por : Metrópoles

O medicamento Buscopan Composto gotas foi recolhido do mercado e sua fabricação foi suspensa por decisão de seu fabricante, a farmacêutica Boehringer Ingelheim do Brasil. A empresa destacou que o medicamento que estava em circulação “não oferece risco à saúde do paciente”.

Segundo a companhia, o remédio começou a ser retirado de circulação em junho deste ano e o processo será temporário.

O fabricante informou que o recolhimento e a descontinuação da produção do remédio, indicado para cólicas intestinais, menstruais e urinárias, foram motivados por “resultados fora de especificação identificado durante estudo de estabilidade” e que o procedimento foi “voluntário e preventivo”.

Além do Brasil, Argentina, Chile, Uruguai, Venezuela e Paraguai também interromperam a produção do remédio.

A Boehringer Ingelheim do Brasil disse que já comunicou a descontinuação da produção do medicamento à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e informou que os demais produtos na linha Buscopan permanecem disponíveis para os consumidores.

Fonte: Estadão

Mais uma alternativa para o controle glicêmico de pacientes diabéticos foi aprovada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Conforme comunicado divulgado nessa segunda-feira (17), o Soliqua (insulina glargina + lixisenatida) é indicado para o tratamento de diabetes mellitus tipo 2 (DMTV), em adultos.

O produto biológico chega ao mercado como uma caneta aplicadora. Nela estão a insulina glargina (Lantus®) e a lixisenatida (Lyxumia®), que estimulam a secreção de insulina quando a glicose sanguínea está aumentada.

O diabetes mellitus acomete o doente de duas maneiras. No chamado tipo 1, a insulina produzida pelo pâncreas é insuficiente. No 2, que representa 90% dos diagnósticos, a ação da insulina é comprometida pela obesidade.

Fonte : Notícias ao Minuto