Consumo de bebidas alcoólicas aumenta risco de câncer porque altera DNA

O impacto das bebidas alcoólicas nas células estaminais é, segundo um recente estudo, a causa para o aparecimento de câncer associado ao consumo de álcool

Que o consumo de bebidas alcoólicas está associado a um maior risco de desenvolvimento de câncer, pouca ou nenhuma dúvidas restavam, porém, faltava ainda saber o que está realmente na origem desta ligação fatal que tira a vida a milhares de pessoas todos os anos.

E foi isso mesmo que um recente estudo em parte financiado pela Cancer Research conseguiu decifrar. Publicado na “Nature”, o estudo revela que a ingestão de bebidas alcoólicas tem um impacto direto e negativo no DNA, alterando as células estaminais e deixando, por isso, a pessoa mais propensa a desenvolver a doença.

Levado a cabo pelo Laboratório de Biologia Molecular do Conselho de Investigação Médica da Universidade de Cambridge (Reino Unido), o estudo analisou o impacto do etanol em ratos, tendo sido ainda feita uma análise dos cromossomos e uma sequência de DNA para perceber se existia ou não algum impacto a nível genético causado pelo acetaldeído – substância química que o corpo produz para conseguir processar o álcool, mas que, na verdade, é verdadeiramente nociva para a saúde.

Conta o “Telegraph” que os cientistas notaram que o acetaldeído é capaz de penetrar e danificar o DNA das células estaminais do sangue, causando, com isso, perturbações permanentes nas sequências de DNA dentro das próprias células, que ficam mais propensas a ficar defeituosas e a não serem capazes de entrar em estado de apoptose.

Apoptose é o termo científico usado para designar a morte programada de células, que se ‘suicidam’ e dão lugar a novas. Este processo é natural, contudo, quando o organismo não é capaz de expulsar as células com defeito, estas podem entrar em conflito e provocar um tumor, algo que também acontece quando o crescimento natural das células acontece de forma anormal.

O estudo mostrou ainda que os ratos sem ALDH – enzima que ‘nasce’ como resposta ao impacto do acetaldeído – ficam quatro vezes mais propensos a ter câncer do que aqueles que têm a mesma enzima, que foi decifrada na investigação como um mecanismo de defesa contra o impacto do álcool.

Além disso, os cientistas concluíram ainda que as pessoas com duas mutações genéticas específicas em dois genes, o alsh2 e o Fancd2 – correm um risco ainda maior de contrair a doença pelo mau hábito.

Como nota ainda o “Telegraph”, o consumo frequente e elevado de bebidas alcoólicas pode causar sete tipos distintos de câncer: boca, garganta, laringe, esôfago, mamas, fígado e intestino.

NOTÍCIAS AO MINUTO

Comentarios

COMPARTILHAR

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here