Entenda como o Brasil ficou livre da febre aftosa

Combate ao vírus foi intensificado a partir da década de 1950 e traz benefícios sociais e econômicos ao país

No próximo mês, a Organização Mundial de Saúde Animal (OIE) irá declarar oficialmente o Brasil como um país livre da febre aftosa com vacinação. O reconhecimento será possível graças à parceria de mais de 50 anos entre o Serviço Veterinário do Brasil e o setor privado, composto por aproximadamente 2,7 milhões de fazendeiros. Entenda como o Brasil superou a doença:

VÍRUS

O primeiro registro oficial de febre aftosa no Brasil ocorreu em 1895, no Triângulo Mineiro. O vírus que causa a doença chegou até aqui depois de ocorrências na Argentina, Chile e Uruguai. Com mais de sete tipos e capacidade para se espalhar facilmente, ele causa febre, seguida do aparecimento de aftas, principalmente na boca e nos pés de animais de casco fendido.

VACINA

O aparecimento da doença contribuiu para a reestruturação do Ministério da Agricultura, em 1909. Desde então, a doença passou a estar entre as principais preocupações da pasta. Mais tarde, em 1950, é criado o Centro Pan-Americano de Febre Aftosa (Panaftosa). Neste mesmo período, o Instituto de Biologia Animal (IBA) começa a produção da vacina contra a doença.

CAMPANHAS

Uma década depois, em 1963, o governo iniciou a Campanha de Combate à Febre Aftosa, e, em 1964, institui-se o Grupo Executivo de Combate à Febre Aftosa, iniciando as atividades no Rio Grande do Sul. Nessa mesma década, foi criada a Comissão Sul-Americana para Erradicação da Febre Aftosa – Cosalfa.

PROGRAMA

Em 1992, o Ministério da Agricultura deu um passo importante no combate à doença com a criação do Programa Nacional de Erradicação da Febre Aftosa. A iniciativa tem como foco o desenvolvimento de uma política baseada na regionalização das ações (criação dos circuitos pecuários), no envolvimento do setor privado e no uso massivo e sistemático da vacinação.

ERRADICAÇÃO

A estratégia começou a dar frutos em 1998, quando o Rio Grande do Sul se tornou o primeiro estado a ser reconhecido pela OIE como livre da febre aftosa, por meio da vacinação. O último foco de aftosa foi registrado no município de Japorã, Mato Grosso do Sul, em 14 abril de 2006. Em 2007, o estado de Santa Catarina foi reconhecido pela OIE como a primeira zona livre da aftosa sem vacinação. Com a vacinação, as áreas sem registro da doença alcançaram todo o Brasil no fim de 2017.

META

A erradicação da febre aftosa traz benefícios sociais e econômicos para o País. Isso porque a infecção pode desestabilizar os sistemas alimentares e o fornecimento de comida para a população, além de prejudicar os mercados de produtos pecuários nos países exportadores. Por isso, a meta do governo é fortalecer os serviços veterinários para que os produtores parem de vacinar o rebanho após maio de 2021 e o País inteiro seja reconhecido pela OIE como livre de aftosa sem vacinação até maio de 2023. (Portal Brasil)

NOTÍCIAS AO MINUTO

Comentarios

COMPARTILHAR

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here